Existem diferentes tipos de alimentos para gatinhos. O mais importante é escolher aquele que melhor se adapta às suas necessidades fisiológicas de crescimento. A base de uma boa alimentação é fornecer tudo o que o organismo necessita para funcionar corretamente e manter o animal saudável. 

A alimentação caseira

Os alimentos caseiros são preparados por si com base em ingredientes tais como, arroz, carne e legumes. Estas refeições, cujo tempo de preparação é frequentemente recompensado pelo reforço da ligação afetiva, têm como inconvenientes o fator custo e, principalmente, a dificuldade de conseguir um alimento equilibrado que contenha as proporções corretas de proteínas, lípidos, cálcio, fósforo, fibras, vitaminas e oligoelementos. Os animais alimentados com preparações caseiras necessitam de receber suplementos minerais.

Se a alimentação não contiver as quantidades suficientes e equilibradas de todos os nutrientes essenciais para satisfazer as necessidades do seu gatinho, poderão ocorrer carências nutricionais graves que podem dar origem a anomalias de crescimento.

As preparações caseiras apresentam também a desvantagem de variar consideravelmente em composição de dia para dia, o que pode causar alterações gastrointestinais no seu gatinho.

IMPORTANTE! Nunca lhe ofereça apenas carne, uma vez que este ingrediente não fornece ao gatinho a totalidade de nutrientes que ele necessita para uma vida saudável. 

A alimentação industrial

A principal vantagem destes alimentos é o facto de fornecerem ao seu gatinho todos os elementos indispensáveis a um desenvolvimento harmonioso e a um crescimento regular. São elaborados cuidadosamente, utilizam os mesmos ingredientes e obedecem às mesma regras sanitárias que a alimentação humana. Duas vantagens adicionais e não menos importantes deste tipo de alimentos são o facto de o seu custo ser bastante inferior ao das preparações caseiras e de não exigirem qualquer tipo de preparação.

Os alimentos industriais apresentam-se sob três formas: húmida, semi-húmida e seca.

  • Alimentos húmidos: contêm 70 a 82% de água. São esterilizados em embalagens estanques. Recorrem sobretudo à carne e subprodutos, mas são também compostos por cereais e legumes muito bem cozidos, graças ao processo de esterilização. São complementados por minerais e vitaminas.
 
  • Alimentos semi-húmidos: contêm 30 a 60% de água. São semi-conservas estabilizadas através da incorporação de conservantes tais como glicerol, propilenoglicol ou ácido sórbico.
 
  • Alimentos secos (croquetes): contêm 7 a 10% de água e 90 a 93% de matéria seca. A qualidade das matérias-primas e o rigor do processo de fabrico permitem a comercialização de alimentos de elevada digestibilidade e precisão nutricional. A sua uniformidade nutricional elimina o risco de mudanças súbitas na dieta e exclui a necessidade de administrar suplementos.
 

Diversos fatores explicam a opção dos donos pelos alimentos secos, particularmente, pelos alimentos secos de elevada qualidade:

  • Performance e economia: são alimentos completos e perfeitamente equilibrados, com um perfil nutricional adaptado às necessidades específicas de cada animal. Têm um custo de utilização inferior ao das preparações caseiras.
  • Ergonomia e carácter prático: uma vez aberta a embalagem, o alimento conserva-se durante mais tempo, a sua dosagem é fácil e não exige qualquer preparação. 

 

Vantagens e desvantagens

Alimento seco (croquetes):

  • Vantagens: não sofre alteração depois da abertura. Mais nutritivo e mais económico do que os alimentos húmidos. Administração prática. Boa conservação quando servido em regime «self-service».
  • Desvantagens: requer ingestão de água. Sofre alterações quando conservado num local húmido.

Alimento semi-húmido:

  • Vantagens: grande apetência. Embalagem prática para dosagem diária.
  • Desvantagens: requer a conservação num frigorífico ou congelador. Alteração uma vez aberta a embalagem. Sofre alterações quando mantido num local húmido. Fonte de intolerância digestiva para alguns gatos.